20 dezembro 2006

O Fardo Pesado da Decisão



O fardo pesado
que carrego agora nos braços
está desestruturando
o equilíbrio que a duras penas
eu tinha teoricamente conquistado
mas que na prática
não conseguiu de fato,
permanecer estável.

Notavelmente,
sinto tremer a fala,
revirar a alma e fugir a calma
em razão de um sufocante
medo inquieto
que ao meu peito rasga.

Apenas duas escolhas
eu tinha enfim;
ficar aqui e encarar
cada uma friamente
ou fugir constantemente
da sombra dessa
minha realidade gris.

Confesso, ainda atormentado
desconhecer
até o presente instante
o quão difícil e aterrorizante
é direcionar toda a sua vida
diante de uma decisão
que julga ser a correta
mesmo sem ter
nenhuma prova concreta.

E exatamente
nessas horas angustiantes
é que melhor se capta
que além da carne
- matéria putrescente -
a essência humana
- que a morte transcende -
também é fraca.
Afinal, somos pessoas
- limitadas
E não máquinas.

Decidir não é se armar
apenas da razão
e sim fazer do senso a arma
e do instinto a munição.




Um comentário:

Daniloka disse...

É, as vezes pode ser muito difícil tomar uma decisão! Somos bombardeados por vários questionamentos e sentimentos que se alternam entre o medo, a culpa e a insegurança. Porém, creio valer mais ter do que se arrepender em vez, de ficar a sofrer por algo que deixou de fazer!